"O ESPORTE JUNTO À CULTURA, COMPLETA OS VERDADEIROS ALICERCES DE UMA FORMAÇÃO FUTURA, FÍSICA, MORAL E ATÉ MESMO SOCIAL"

Leovegildo Lins Gama Junior

Galera,

Quando vejo um jogador pensando em se aposentar, me vem à cabeça como foi difícil tomar esta decisão. Em primeiro lugar, porque quando se vive mais tempo no trabalho do que em casa, às vezes é difícil até saber o que fazer quando penduramos as chuteiras. E comigo não foi diferente.

A minha sorte foi o BEACH SOCCER ter surgido em minha vida. Assim, pude durante 8 anos me divertir e ajudar o esporte a se desenvolver. Tive algumas experiências extra-campo como treinador no Fla e no Timão, e mais duas como observador. Durante a copa de 94 com a seleção brasileira e depois com o amigo ZICO na copa da Alemanha, em 2006.

Além disso, houve uma outra como dirigente profissional no Fla em 2004, no projeto Fla-futebol numa tentativa do presidente Márcio Braga em profissionalização o futebol do clube. Todas, todas as experiências, foram muito validas. Sempre tiramos um aprendizado quando começamos um novo projeto, independente de alcançar ou não o objetivo pretendido.

Na televisão, a mesma coisa. Quando vi, estava completamente envolvido no segmento. Comecei lá atras, em 1995, fazendo alguns jogos na Globo, como a final do Brasileiro entre Santos e Botafogo. Depois, recebi o convite para trabalhar na Copa de 1998 e um contrato com o Sportv até 2003. Voltei em 2006, para definitivamente fazer parte do time da Globo, onde estou até hoje.

Tenho prazer em fazer o meu trabalho, e curto o fato de viver no ambiente que passei praticamente toda a minha vida. Fiz uma opção que tenho certeza foi melhor pra mim e também para minha família, assim posso estar mais perto deles e curtir o que nao pude quando jogava.

Curto sempre uma prainha, um futevôlei ou um vôlei também. Uma pedalada sempre que possível, o projeto musico-social do Samba da Sopa onde me divirto e ajudamos com as doações, um jantar com a madame quase sempre as sextas e outro aos sábados com os amigos, pra botar o papo em dia…

Não posso reclamar da minha vida pós-jogador, afinal continuo vendo e trabalhando com o que fiz o tempo todo e ainda arranjo um modo de me divertir com minhas “tribos” de Copacabana e da Barra. Só tenho que agradecer ao Cara Lá De Cima por tudo que me proporciona. Para mim, felicidade é isso.